Sanduíche feito com um patrimônio cultural brasileiro

30
set

Ao chegar ao Brasil, em 1816, Jean-Baptiste Debret, pintor da família real, logo percebeu um produto diferente que era produzido na nossa terra, geralmente consumido ao final das refeições: o queijo de minas.

Reconhecido como patrimônio cultural brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o queijo minas frescal é uma iguaria do nosso país com uma história que remonta ao século XVIII. Com a descoberta do ouro, os portugueses presentes em Minas Gerais utilizavam uma antiga técnica de queijo coalhado que era usada em Portugal foi adaptada à época. A ideia foi um sucesso e é conhecida em todos os estados do país.

Aqui no Genot, essa receita brasileira é parte de uma deliciosa combinação de sabor e saúde: torrada light, queijo frescal, tomate e orégano no pão integral. Tudo que você precisa para apreciar o queijo que fez história no Brasil com ingredientes leves que fazem bem ao corpo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *