Campeonato Brasileiro elege seu representante no World Barista Championship – WBC

20
mar

Entre os dias 12 e 14 de março, os melhores baristas do país estiveram reunidos para disputar o 11° Campeonato Brasileiro da categoria, realizado na Universidade Cruzeiro do Sul, Campus Anália Franco, em São Paulo. A competição é atualmente o principal foco das atenções nas feiras mundiais de cafés especiais. Neste campeonato, o barista tem 15 minutos para preparar e servir aos juízes: quatro espressos, quatro capuccinos e quatro drinques de assinatura, não podendo ser utilizado nenhum ingrediente que contenha álcool.

O torneio contou com a participação de um representante do Rio Grande do Norte, o barista Paulo Guillén, proprietário do Genot Cafés Especiais, sendo um dos juízes sensoriais tanto no processo classificatório, quanto na grande final da competição. A disputa teve ainda em seu corpo julgador: o juiz principal José Cleofas (México); os juízes técnicos Danilo Lordi e Katia Nassuno A. Alves; e os juízes sensoriais Michael Mc. Caurley (EUA), Antonio Villa Lobos (Chile), Isabela Raposeiras.

Ao final da disputa, o grande campeão do torneio foi o barista Rafael Godoy, representando o Suplicy/SP, seguido pela barista Graciele Rodrigues, do Lucca/PR – PR, e o barista Thiago Sabino, do Italian Coffee/SP. Com a conquista do primeiro lugar, Rafael Godoy será o representante brasileiro no World Barista Championship – WBC, que acontecerá entre 12 e 15 de junho, em Viena, Áustria. O campeonato é o mais importante do gênero no mundo.

O barista Rafael Godoy, vencedor do torneio.

A barista Graciele Rodrigues, segunda colocada.

Segundo Paulo Guillén, o juiz sensorial é responsável pela pontuação dada ao sabor de cada bebida, sendo a qualificação baseada na matéria-prima utilizada e no estilo da bebida. Os competidores tiveram que encontrar um equilíbrio harmonioso de doçura, amargor, acidez e aromas. É sugerido aos competidores explicar verbalmente aos juízes o porquê de sua decisão de utilizar seu café (o perfil básico do sabor), a estrutura do blend do espresso, os principais elementos de sabor, os ingredientes utilizados na bebida de assinatura e a filosofia por trás da bebida servida.

A pontuação também é baseada no aspecto visual das bebidas, incluindo xícaras, copos e acessórios, levando-se em a limpeza de xícaras e pratos (sem corrimento ou manchas), a consistência da bebida e a criatividade / estilo de apresentação. Assim como também, no conhecimento técnico do competidor e suas habilidades para operar a máquina e o moinho. É levado em consideração a impressão geral que o competidor causar nos juízes por suas habilidades, pelos sabores das bebidas, aspecto visual das bebidas, apresentação pessoal, e mesa de amostragem.

Guillén lembra que todas as notas dadas pelos juízes devem ser acompanhadas de comentários, tendo em vista que após o resultado final, os competidores podem querer explicações sobre as notas. Este foi o segundo ano seguido que o proprietário do Genot Cafés Especiais participa do Campeonato Brasileiro de Barista como juiz. Para ele, toda a experiência e conhecimento adquiridos nessas competições servem para a constante melhoria do atendimento ao cliente. Segundo o barista, Natal não deixa nada a dever aos grandes centros do país e até do mundo, no quesito de saborear um autêntico café especial.

Os juízes sensoriais Paulo Guillén, Antonio Villa Lobos (Chile),
Isabela Raposeiras e Michael Mc. Caurley (EUA)

Saiba mais…

Espresso – bebida à base de café preparada por meio da passagem de água quente sob alta pressão pelo café moído.

Cappuccino – bebida de café e leite que deve produzir um rico balanço harmonioso entre a doçura do leite e o sabor do espresso.

Bebida de Assinatura – bebida à base de espresso de preparo livre, criada pelo competidor. Cada uma das quatro bebidas de assinatura servidas deve conter no mínimo um shot de espresso.

Déborah Massud
Jornalista    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *