Bruna Hetzel esbanja todo seu talento no Genot Maior – MPB

18
jul

Nesta quinta, dia 19, o Genot Cafés Especiais vai abrigar mais um show da música popular brasileira. É que acontece o Genot Maior especial MPB, com a cantora Bruna Hetzel, interpretando os grandes sucessos dos baianos Caetano Veloso e Gilberto Gil. Confira a entrevista exclusiva com a artista.

 

Como se deu sua formação musical?

Bruna Hetzel – Meu contato com a música se deu logo na infância através da convivência familiar. O meu avô, o pianista e maestro Waldemar Ernesto que foi um ícone da música norte-riograndense, assim como os meus pais que nunca chegaram a seguir carreira, mas costumavam tocar e cantar regularmente em casa, foram fundamentais para o despertar da sensibilidade musical. Minha formação se deu através desta proximidade com o meio musical tanto em âmbito familiar como através dos tantos amigos que compõem a cena musical da cidade. Tive pouca proximidade com o ensino formal da música, algumas aulas de piano e uma ou outra disciplina de canto na Escola de Música da UFRN com a profa. Ângela Bezerra. Somente agora, tenho procurado investir na minha formação, tendo aulas particulares de canto, piano e teoria musical com o professor, cantor e compositor Leandro Rocha. Mas a minha trajetória foi marcada pela escuta e pelo exercício da música ao lado de grandes nomes da música local. Com o tempo, o canto que se fazia na intimidade e na informalidade, assim como as parcerias musicais ganharam roupagem profissional.

 

Suas principais influências musicais?

BH – Seguindo a tradição musical delineada pelo avô, o maestro Waldemar Ernesto, costumo apontar o meio familiar como minha principal fonte de influência no campo da música, que me levou desde a infância a conhecer o universo musical brasileiro, em especial, o da bossa-nova, e a influência do samba e do jazz americano.  Músicos como Tom Jobim, Chico Buarque e Edu Lobo, Djavan, Caetano, Gil, etc. compuseram a trilha sonora da minha infância. Em minha adolescência desponta a paixão pelo rock setentista clássico, a exemplo dos Beatles. Mais tarde viria o encantamento pelo ciclo mineiro conhecido como “Clube da Esquina”, com destaque para a obra de Milton Nascimento e também por Ícones como Elis Regina, Joyce, Nara Leão, Nana Caymmi, Silvia Telles, Mônica Salmaso, Ella Fitzgerald, Blossom Dearie e Billie Holliday que constituem minhas principais inspirações.

 

Um gênero para definir seu trabalho?

BH – O trabalho se insere no universo da música popular brasileira, resgatando, sobretudo o gênero da bossa nova em seu ponto de convergência com o jazz.

 

Qual a sua atuação no cenário local?

BH – Sim. Tenho me apresentado em múltiplos espaços da cena potiguar ou regional, a exemplo do “Jobim: gastronomia e música”, “Douce France bistrôt”, Projeto Praia Shopping Musical, Projeto Quarta-Feira Cultural do Mercado de Petrópolis, Projeto Terraço do Relógio (SESC), Espaço Cultural “Maloca”, Espaço Cultural Buraco da Catita, Hotel Barreira Roxa (SENAC), Guinza Restaurante, Aliança Francesa de Natal, Tribo Roots Bar, Nalva Café Salão, e Festival Guaramiranga em Férias (CE), programa televisivo “O Canto da Lira”, dentre outros.

 

Qual a sua opinião a respeito do Genot Maior?

BH – Participar do projeto Genot Maior é um enorme prazer tanto para mim quanto para os instrumentistas que me acompanham. Trata-se de um belo e importante projeto cultural, que democratiza o acesso à música de qualidade e cria uma vitrine para as artes e para o artista potiguar no seio de um espaço tradicionalmente voltado para o consumo: um shopping.  A livraria Saraiva, o Café Genot e Alexandre Siqueira estão de parabéns por essa iniciativa que valoriza a música e os músicos locais!

 

E o que está preparado para a apresentação desta quinta-feira?

BH – Um repertório especial e inédito de releituras da dupla Caetano e Gil, que põe em evidência a importância da tropicália não somente para a música popular brasileira, mas para o seu cenário artístico como um todo, e a formação social brasileira.

 

Quem vai te acompanhar no show?

BH – Sim. Me apresento acompanhada de um time de experientes músicos da terra: Iury Matias (violão e guitarra), Filipe Morais (baixo acústico) e Rogério Pitomba (bateria).

 

O que o público presente pode esperar?

BH – Uma apresentação sofisticada e intimista do repertório da dupla baiana que reúne tanto clássicos destes consagrados compositores, quanto canções menos conhecidas. Interpretadas sob nova roupagem, com harmonias próprias ao grupo.

 

Contatos para apresentação/show.

BH – brunahetzel@gmail.com/  – (84) 8878-4826/9611-5779

 

Na próxima semana, dia 26, que se apresentará é a cantora Lysia Condé, interpretando os grandes sucessos do Dorival Caymmi. Você não pode deixar de conferir! Entrada gratuita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *