Cheesecake: um verdadeiro néctar dos deuses

29
nov

Uma coisa que todo mundo sabe sobre cheesecake é que essa receita é uma delícia. O sabor dessa sobremesa incrível é mundialmente conhecido, mas sua trajetória na história da humanidade vai muito além do que se imagina.

Original da Grécia antiga, o cheesecake era servido aos atletas durante os Jogos Olímpicos, na Ilha de Delos. Era um costume local apreciar uma espécie de bolo doce, à base de queijo, farinha, ovos e mel. O costume se perpetuou, chegou ao império romano, onde a receita era oferecida aos deuses e foi passada de geração para geração. Séculos depois, os colonizadores que desembarcavam nos Estados Unidos traziam consigo algumas variações de tortas de queijo. Com o tempo, leiteiros nova-iorquinos aperfeiçoaram a técnica de fabricação do famoso queijo Philadelphia, personagem principal da preparação do cheesecake.

Aqui no Genot Cafés Especiais você encontra no nosso cardápio um saboroso cheesecake de frutas vermelhas. Uma receita de sabor inesquecível, com um passado riquíssimo e que vai proporcionar a você muita história para contar.

Bolo na caneca (mug cake)

27
nov

Das aventuras que muita gente vive dentro da cozinha de casa, preparar um bolo talvez seja uma das mais comuns. E não é atoa. Essa sobremesa é uma das receitas mais presente na vida de todos nós. A começar pelas boas lembranças que ela traz, seja o cheiro bom da casa da avó ou os aniversários e confraternizações. E, em meio a tantas recordações, estão também as dezenas de preferências que cada um de nós tem por sabor, coberturas, etc. Por isso, uma ótima dica para quem ainda está desvendando os mistérios da culinária caseira é o bolo na caneca, conhecido também como mug cake. De preparo simples e rápido, todos os ingredientes vão dentro da caneca e depois é só colocar no micro-ondas. Prontinho! Você tem uma sobremesa deliciosa, no sabor que você escolheu e sem bagunça na cozinha. O bolo na caneca combina perfeitamente com um sofá aconchegante e um bom filme. Bom apetite!

Café com gatos

22
nov

Ter um bichinho de estimação é algo normal. Porém, algumas pessoas fazem questão de estar na companhia de um animal e, inclusive, pagam por isso. É o que está acontecendo no Japão. Nos últimos anos, o número de “cafeterias de gatos” ou “neko café” é crescente. A taxa cobrada para desfrutar desse serviço é de acordo com o tempo em que o cliente quer ficar junto ao felino. Dessa forma, quem se dirige a esse tipo de estabelecimento pode desfrutar de um bom café e de animais de estimação “temporários”. Um exemplo do segmento é o Sakuragaoka Café, onde moram Sakura e Chocolat, duas cabras que fazem sucesso com os clientes.

 

Com o aumento da demanda, outras empresas passaram a oferecer não apenas a companhia de gatos, mas também de pássaros, cachorros e outros animais. Em Yokohama, cidade próxima a Tóquio, já existe um “réptil café” que oferece lagartos, tartarugas e serpentes. Uma ótima opção para quem quer conhecer lugares diferentes ou para quem não pode ter bichos de estimação em casa.

Duas histórias e um sabor

20
nov

Um dos doces mais populares no Brasil é o inconfundível petit gâteau. Mesmo tendo um nome claramente francês – petit quer dizer “pequeno” e gâteau “bolo” – a origem da receita gera discussão até hoje, dividindo os amantes da gastronomia entre Estados Unidos e França.

 

Os que acreditam que o doce foi feito pela primeira vez na Europa, afirmam que o nome original seria “moelleux au chocolat au cœur fondant”, algo como “macio de chocolate com miolo que derrete”. A crença também diz que o chef francês Michel Bras é o autor do petit gâteau. Já os que defendem a origem americana contam que, certa vez, um aprendiz aqueceu demais o forno acidentalmente, mas que o resultado agradou os clientes.

Independente de qual versão é a verdadeira, o fato é que a receita chegou a diversos países, inclusive ao Brasil. Então, depois desse passeio pela história dessa delícia, que tal entender na prática como ela conquistou o mundo? Aqui no Genot, o petit gâteau é uma das especialidades da casa e combina perfeitamente com o nosso café. Esperamos você. (:

Genot. O melhor da cidade.

13
nov

É com muita felicidade que anunciamos que o Genot Cafés Especiais foi eleito pela VEJA como o melhor de Natal, na categoria “Cafés”, na seção “Comidinhas”. A revista destacou o embasamento que os profissionais que trabalham no Genot têm, a partir de todo o conhecimento adquirido pelo proprietário Paulo Guillén no Centro de Preparação de Café e em aulas com Isabela Raposeiras e Ensei Neto. VEJA também mencionou a Fazenda Serra Negra, de onde vem a matéria-prima para nossas receitas, bem como o nosso smoothie de café e os chás. Além disso, outros itens do nosso cardápio, como a tapioca, o crepe e o petit gâteau tiveram destaque.

Essa premiação é fruto da dedicação que o Genot emprega todos os dias, em cada preparo, inspirada pela paixão pelo café. Agradecemos a todos os nossos clientes e parceiros por essa conquista e esperamos que uma nova safra de sucessos venha todos os anos, que gere ótimos resultados e, claro, muitas doses de café.

Arte em copos de café

08
nov

Para muita gente um copo de café pode parecer um objeto descartável. Uma vez que eles estejam vazios, após um delicioso momento apreciando a bebida, o destino de muitos desses recipientes é o lixo. Porém, para o artista Cheeming Boey isso não acontece. Aproveitando ao máximo o espaço em branco de cada copo, Boey encara o objeto como uma tela para registrar sua técnica precisa e recheada de personalidade. Os traços variam desde pontilhismo até cenas que lembram a linguagem das histórias em quadrinhos. Tudo feito apenas com caneta. Um trabalho inspirador para artistas e amantes do café.

 

A Trifecta

06
nov

Acordar cedo para trabalhar ou estudar e tomar uma ótima xícara de café faz muito bem para a saúde. Essa bebida popular no mundo inteiro é excelente para melhorar a atenção e disposição durante o dia. Por isso, é importante saber preparar de maneira correta a sua fonte de energia diária. E uma das tecnologias atuais para isso é a Trifecta, que permite fazer o café dose a dose.

Previamente pesado, o grão passa pelo primeiro estágio sendo moído e colocado no filtro do equipamento. A água, uma vez que esteja na temperatura e quantidade ideal, entra em contato com o pó, o que, em inglês, é conhecido como “wetting”. Em seguida, a câmara recebe ar comprimido, o que cria uma turbulência e uniformiza a extração. Por fim, o ar é injetado e pressiona a mistura com o filtro metálico.

O resultado de toda essa tecnologia é uma infinidade de possibilidades de extração, evidenciando diferentes sabores, permitindo que você comece cada dia de maneira diferente, aproveitando o que há de melhor em uma deliciosa xícara de café.