O melhor da música clássica ao sabor do melhor café

30
abr

A música erudita tem seu berço no ocidente (Europa) e seus principais períodos são o Renascentista, Barroco, Clássico, Contemporâneo e Moderno. A música ocidental tem como maior expressão a Clássica que surgiu no fim do século XVII e início do XVIII. Escola Clássica Vienense foi sua maior expressão, levando a cidade de Viena à condição de capital musical européia. Entre suas realizações mais relevantes estão à introdução e o estabelecimento da “forma sonata”, estrutura musical desenvolvida a partir das sonatas, sinfonias, concertos, aberturas, quartetos e árias. A música clássica correu o mundo é tornou famosos músicos que se imortalizaram no estilo como: Beethoven, Schubert, Brahms, Wagner, Liszt, Haydn, Tchaikovsky, Bach, Vivaldi, Mozart, Chopin, entre muitos outros, referências mundiais e fonte de inspiração para todos os seguidores do gênero.

No Brasil a música erudita foi introduzida a partir dos jesuítas e colonizadores portugueses na região tendo sofrido influências indígenas, já que os jesuítas os ensinavam a música no modelo europeu. Surgiram a partir daí alguns compositores brasileiros, porém foi somente com Villa-Lobos que o país ganha algum respeito na música erudita na Europa e passa então a formar talentos genuinamente brasileiros. As principais expressões do gênero são as sinfonias, o quarteto de cordas e o concerto, demonstrando assim, o triunfo da música instrumental. O fato é que a música Erudita vem atravessando os séculos com a mesma emoção do seu nascimento, encantando seus ouvintes com uma sonoridade apaixonante.

Em celebração a esse grande gênero musical o Genot Café Especiais abre a edição de maio do Projeto Genot Maior. Nesta quarta-feira, dia 02, se apresentam o Duo Violões Álvaro Barros e Danilo Guanais, com um repertório exclusivo para os clientes da cafeteria, num pocket que promete emocionar o público presente. No repertório, obras que vão do período Renascentista ao Contemporâneo. Dentre as principais destacam-se: Diferencias sobre Guardame las Vacas (Luys de Narvaez); The Flat Pavane / Galliard to the Flat Pavane (John Johnson); Drewrie’s Accordes (Anônimo da Renascença Inglesa); Toy for two lutes (Robert Johnson); La Roussignol (Anônimo da Renascença Inglesa); Sete canções infantis húngaras (Autor desconhecido); Jongo (Paulo Belinatti); Círculo das Cordas (Marco Pereira), entre outras.

SAIBA MAIS

Duo de violões Álvaro/Danilo – Em 1984, os professores Álvaro Barros e Danilo Guanais, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte formaram o Duo Álvaro/Danilo, com o objetivo principal de integrar os gêneros erudito e popular na música instrumental para violão. Entre as diversas apresentações que fez, o duo montou vários shows e atuou como solistas em concertos com a Orquestra Sinfônica do RN, além de participar de importantes seminários de violão no nordeste como recitalistas. Em 2008, o duo realizou importantes recitais em parceria com o coro milanês Cantosospeso e com o coro paulista Luther King, em cidades italianas, como Veneza, Gênova e Milão. Em 2009, por ocasião dos 50 anos da UFRN, o duo gravou seu primeiro cd. Desde sua criação, o duo vem desenvolvendo um intenso trabalho na divulgação do repertório violonístico, em arranjos e transcrições que apresentaram em programas de rádio e televisão, ou em concertos, realizados em diversas cidades do Brasil e Europa, sempre consolidando as características buscadas pelo duo: equilíbrio entre técnica e expressividade.

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA DO GENOT MAIOR – ERUDITO

02/05, quarta-feira – Duo Violões Álvaro e Danilo

10/05, quinta-feira – Quarteto de cordas com Maestro Paraguay

24/05, quinta-feira – Sax in Bach

30/05, quarta-feira – Duo Trompete e Cello com Antonio Pádua e Diego Paixão

As apresentações começam sempre às 19h e vão até às 20h30. Apareça, venha degustar um grão especial ao som instrumental de qualidade! Deixe a música por nossa conta, a entrada é franca.

A miscelânea de Xanadu

26
abr

Xanadu é um dos grandes sucessos da Broadway que, após ganhar montagem e releitura brasileira, inicia uma turnê pelo país. Na verdade, a trajetória de Xanadu teve início no cinema, na década de 80, com elenco encabeçado por ninguém menos que a premiada Olivia Newton-John. Com o passar do tempo o longa atingiu o status de cult e suas canções tornaram-se memoráveis sucessos. Já o musical ganhou vida estreando na Broadway em 2007 e posteriormente vencendo o importante prêmio Drama Destak.

A versão brasileira, adaptada com ganchos inteligentes, conta como o personagem Sonny Malone é inspirado por uma musa grega (Clio, que vem à Terra como a mortal Kira) a construir um lugar onde as pessoas possam se divertir e dançar sobre rodas, enquanto patinam. Essa é a Xanadu de Sonny: uma roller disco; um lugar onde sonhos e utopias se realizam; uma casa noturna como nenhuma outra. A estética kitsch, colorida e, exageradamente oitentista do original foi ainda misturada a uma dose de tropicalismo. Aliás, as cores de Xanadu presentes em figurinos, objetos de cena e iluminação, são um ponto muito forte do espetáculo. A qualidade dos recursos técnicos é surpreendente.

“Uma miscelânea de Grécia Antiga com anos 80”, nas palavras do diretor Miguel Falabella. O elenco conta com Danielle Winits, Miguel Falabella e Danilo Timm.

O resultado você confere nos dias 04,05 e 06 de maio no Teatro Riachuelo, aqui pertinho do Genot! Mais informações: Xanadu. Um Musical da Broadway.

A Evolução do Consumo do Café

24
abr

O Brasil é o maior produtor mundial do café em grão verde (sementes do café, que serão depois torradas e moídas) e em breve deve se ter o maior mercado consumidor de café (a bebida, já na xícara). É importante lembrar que o perfil de consumo de café no Brasil é  típico de país produtor, onde a facilidade de obtenção de matéria-prima pela indústria propicia o surgimento de péssimos cacoetes como a utilização de subprodutos do café e de impurezas.

Como sempre foi um importante produto da pauta de exportação do Brasil, criou-se um senso comum de que os grãos de café que por aqui ficam são resíduos dos que seguiram para além-mar. Finalmente, no imaginário de quem prepara e de quem consome de forma mais tradicional, existe a forte referência de que o café tem de ser “negro como a noite e quente como o inferno”, o que acabou por reger o surgimento do modo típico de preparo no Brasil: o Cafezinho.

O tradicional Cafezinho é preparado a partir de um pó finamente moído misturado à água fervente, numa proporção que varia entre 1 para 7 (4 colheres de sopa) a 1 para 10 (6 colheres de sopa), antes de ser despejado num coador de flanela de algodão, que possui uma trama não muito fechada. Isto faz obter uma bebida genericamente encorpada, devido à grande presença de sólidos dissolvidos, e com maior amargor, devido à maior presença de cafeína. Via de regra, o Cafezinho é sinônimo de cortesia, parte integrante da etiqueta em ambiente doméstico ou profissional, tendo-se incorporado e até mesmo cedido seu nome aos momentos de pausa, a chamada “Parada do Cafezinho”.

O Espresso no Brasil tem uma história bastante recente. Sua chegada em nosso país criou um novo patamar preços graças a introdução de ma nova parafernália de equipamentos, juntando-se imponentes máquinas de grupo e os quase sempre ruidosos moinhos.

É interessante observar que, desde o princípio, o Espresso se diferenciou do tradicional Cafezinho porque se impôs como um novo serviço. Logo ficou clara a imagem para o consumidor médio de que o Espresso é melhor do que o Cafezinho porque o diferencial de preço era, e ainda é, sensivelmente maior.

Nos anos 90, os pontos de serviço estavam no início de sua revolução, quando duas redes de cafeterias despontavam, o Café do Ponto e o Fran´s Café, trazendo para o consumidor brasileiro novas bebidas como o Cappuccino. O Café do Ponto, na época sob a batuta do visionário Américo Sato, teve a ousadia de servir cafés de grãos  produzidos em diferentes origens brasileiras como a Mogiana, Sul de Minas, Cerrado e
Alta Paulista.

A possibilidade de passar por novas Experiências Sensoriais é o que nos dá condição de comparar serviços e produtos. É quando, através desse acúmulo de experiências, podemos perceber quão bom ou sofrível é o serviço em determinados locais ou se um café de uma cafeteria é muito superior ao de outra.

Consumidores com mais conhecimento são consumidores mais exigentes, obrigando à cadeia do café ao constante aperfeiçoamento dos serviços e na manutenção da excelência dos produtos.

As Cafeterias são o Ponto de Serviço próprio e exclusivo para o consumo do café. É o ambiente onde tudo gira em torno dessa fantástica semente! Com o fácil acesso às informações com as novas tecnologias, os consumidores passaram a se interessar mais sobre quem e como se produz os grãos que se transformarão em apaixonantes bebidas.  Origem é a palavra do momento!

A nova revolução no mercado do café, assim como já acontece com outros de bebidas e alimentos, é o da apresentação do produtor diretamente aos consumidores. É essa transparência que se destaca como característica das Novas Cafeterias!

As primeiras tinham como maior preocupação o seu nome. Em seguida, vieram aquelas que, já empregando máquinas e equipamentos de alto nível, tinham como principal personagem o Barista, profissional especializado no preparo do café.

As Novas Cafeterias, além de terem equipamentos de ponta para um serviço impecável e baristas muito bem treinados, o principal personagem é…. o Grão de Café! Mostrar onde um lote de café foi produzido, quem é o produtor e qual foi a variedade escolhida, enfim conhecer toda a história daquela semente que vai proporcionar verdadeiras viagens  sensoriais, é, antes de tudo, um sinal de transparência e de respeito ao consumidor. Esta é a essência do Programa DIRECT TRADE BRASIL, um movimento em que há uma forte comunicação sobre a origem dos grãos servidos nessas Novas Cafeterias, como a Genot Cafés Especiais, junto aos seus consumidores. Se o café servido é delicioso, esbanjando sabores e criando uma boa experiência sensorial, tanto melhor será se o seu autor for apresentado!

Ao pedir o seu próximo café, Espresso ou Coado, pergunte ao Barista qual é a origem do grão que está sendo servido. Uma bebida acompanhada de uma boa história será sempre inesquecível!

Ensei Neto

Ensei Neto é Engenheiro Químico com especialização em Tecnologia de Alimentos e Marketing. Consultor em Marketing e Qualidade de Cafés Especiais. Juíz Certificado SCAA (Specialty Coffee Association of America). Mantém o blog The Coffee Traveler (www.coffeetraveler.net).

 

Dia Mundial do Livro

23
abr

Como seriam as obras criativas em geral, nos dias de hoje, sem a existência ou reconhecimento de artistas como Shakespeare ou Cervantes?? Não é fácil imaginar a cultura pop sem a influência da máxima “ser ou não ser, eis a questão”, para se ter uma idéia. O teatro então, jamais seria o mesmo sem as tragédias shakesperianas. Personagens complexos, trágicos e cômicos, de rica singularidade. Quando pensamos em Miguel de Cervantes, somos subitamente inspirados pelas aventuras do notável Dom Quixote, que influenciou inúmeras outras criações literárias, novelas, óperas, pinturas de Salvador Dali & Pablo Picasso, desenhos animados, entre outros engenhos.

Hoje, 23 de abril, comemora-se o Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor. É uma data simbólica para a literatura, pois, por uma triste coincidência, nesse dia morreram autores como Cervantes, Shakespeare e Inca Garcilaso de la Vega, só para citar alguns.

Que a beleza de suas obras seja eterna! Muito café, prosa e poesia. Ótima semana à todos!

Arte com Café

19
abr

Intervenções artísticas das mais diferentes têm nos surpreendido ao longo dos séculos. São ações criativas, esculturas, pinturas em tela ou infindáveis outras possibilidades de expressão. Uma artista plástica da Malásia, que assina como Red (seu nome real é Hong Yi), resolveu pintar uma série de obras com borras de café. As borras que ficam entre o pires e a xícara serviram de matéria para criar as ilustrações de Red. Não iremos descrever demais, pois, como diz uma máxima da internet “Escrever sobre arte é como dançar sobre arquitetura”. Então, café para os olhos!

Não é demais?!

Se quiser conhecer mais sobre o trabalho da Red, visita o blog dela: http://www.ohiseered.com/

As Crônicas de Fogo e Gelo

17
abr

O lançamento da super produção Game of Thrones, pela HBO, impulsionou o sucesso dos aclamados livros que serviram de inspiração para a série. Intitulada de “As Crônicas de Gelo e Fogo”, são sete volumes ao estilo de obras como “O Senhor dos Anéis”, onde castelos, reis e espadas preenchem um reino fantástico e enigmático, habitado por personagens profundos de personalidade forte.

Escrita por George R. R. Martin – considerado por alguns o Tolkien americano – a história se passa no continente fictício de Westeros e, de uma maneira geral, conta a história de famílias pertencentes a sete reinos, dentre elas a casa dos Stark, dos Lannister, dos Baratheon e, atravessando o oceano, a casa dos Targaryen. Ao norte, encontra-se a Muralha, uma gigantesca parede de neve e gelo guardada pela Patrulha da Noite, separando, ao Sul, as armadilhas, brigas e intrigas que as famílias travam entre si para conquistar o Trono de Ferro e, ao Norte, terras geladas e criaturas misteriosas conhecidas como os Outros.

Os quatro primeiros livros da série já se encontram na livraria Siciliano, e para esquentar a leitura dessa história fantástica onde o inverno está para chegar, nada melhor do que um Caffé Latte no Genot.

O Dia Internacional do Café

14
abr

Tradição desde a época do Brasil colônia, o café ao longo dos anos se tornou indispensável ao menu dos brasileiros. Ditou políticas e comportamentos até se enraizar na nossa cultura. Hoje, o Brasil é o maior produtor de café do mundo.

Um café fresquinho passado na hora é uma companhia muito agradável. Temos sempre a sensação de, a cada gole, estarmos mais atentos e concentrados… E estamos, pois além da capacidade de formação de memória em adultos e crianças, o café diminui a incidência de depressão e desânimo. É um dos melhores alimentos para se manter saudável, oferecendo boa quantidade de potássio, ferro, zinco e vitamina B3.

Versátil, o café é ainda utilizado na gastronomia como matéria prima para o preparo de uma diversidade de saborosas receitas: desde pratos sofisticados a drinks e sobremesas.

Uma coisa é certa: degustar um café de qualidade é sempre bom. Somos gratos pela experiência de apreciar um gole e sentir suas notas aromáticas fortes, seu delicioso creme e seu gosto.

Hoje comemoramos o dia dele, que aquece as nossas manhãs e torna nossos encontros mais animados. Brindemos ao café aqui no Genot, amigos! Feliz dia Internacional do Café!

Labutaria com Marco Luque

13
abr

Em cartaz no Teatro Riachuelo a partir dessa sexta-feira, o engraçadíssimo espetáculo solo “Labutaria” de Marco Luque. O ator, humorista e apresentador do programa CQC (Band) levará ao palco um desfile de suas cômicas personagens, que representam tipos populares: Mustafary, o vegetariano avesso ao esforço; JacksonFive, o motoboy;  Silas Simplesmente, o taxista;  Betonera, o hiperativo monitor de acampamento; e Mary Help, a diarista.

Versátil, Marco apresentou durante três anos personagens também de sua autoria no espetáculo “Terça Insana”, além do stand up comedy de sucesso “Tamo Junto!”.

As figuras criadas por Marco Luque, dotadas de figurinos, trejeitos característicos e linguagem popular, estão agora mais afiadas do que nunca.

O espetáculo de humor poderá ser visto em Natal nos dias 13, 14 e 15 de Abril. Ótimo programa para se fazer depois de um café aqui no Genot.

Um Recanto de Especiarias

11
abr

Depois do surgimento dos chamados speciallity coffees, ou, em bom português, cafés especiais, tomar aquele velho cafezinho, se tornou além de um hábito muito saboroso, de pura contemplação. Um verdadeiro deleite aos sentidos, pois o café é uma bebida com alta complexidade sensorial, podendo trazer muito matiz de sabores.

Há muitos aspectos que podem influenciar no sabor da bebida como: o solo, a altitude, o microclima, a variedade de café cultivada e os diferentes métodos de manejos na lavoura. Portanto podemos afirmar que o café é um produto de terroir, tornando cada bebida diferente da outra.

Desta vez, para proporcionar aos apreciadores dessa bebida milenar a oportunidade de saborear diferentes cafés, o Genot Cafés Especiais apresenta os selecionados grãos da Fazenda Jaboticabal.

Localizada na Região Norte Pioneiro do Paraná, tendo como principal característica o fato de estar em faixa de Clima Subtropical. Esta rara condição faz com que o ciclo das frutas seja longo, conferindo grande complexidade de aromas e sabores na xícara de café.

Suas notas vão desde baunilha, cítricos, amêndoa, caramelo, leve chocolate a frutas vermelhas, mel e canela. Encorpado, possui uma excelente acidez cítrica. Sua finalização é longa, lembrando vinhos de uvas Malbec. Experimente o café da Fazenda Jaboticabal e desfrute de mais essa iguaria oferecida pelo Genot Cafés Especiais.

Genot Maior apresenta recitais de violão com Alexandre Siqueira

10
abr

Quem nuca se rendeu ao som suave e harmonioso de um bom violão erudito? Difícil não se deixar embalar pela melodia que passeia entre peças renascentistas, barrocas, clássicas, românticas, modernas e contemporâneas. Pois é justamente com esse espírito que o Projeto Genot Maior inicia seu ciclo de apresentações no mês de maio. A proposta desta vez é contemplar o público que frequenta o Genot depois do almoço para saborear uma de nossas delícias que vão desde cafés especiais até as irresistíveis sobremesas.

Os recitais de violão do Genot serão comandados pelo violonista Alexandre Siqueira. Segundo o músico, a proposta é levar até o público, de forma simplificada, as principais peças, estudos e transcrições para violão erudito. No repertório, as composições de grandes nomes consagrados no gênero como: Preatorius, Sanz, Milan, Bach, Rameau, Scarlatti, Sor, Carcassi, Coste, Giulianni, Tárrega, Albeniz, Villa-Lobos, Brower, entre outros.

As apresentações serão instrumentais com recursos de amplificação de som. Alexandre também tocará músicas mais atuais como Bossa Nova e Jazz, além de clássicos da MPB na forma de Chord Melody (acordes melódicos) que muito se assemelha à técnica do violão erudito.

Mais uma vez, o Genot Cafés Especiais contribui para disseminação da cultura musical levando ao público shows de qualidade e de valorização do artista local. Então estamos combinados, nesta sexta-feira, dia 13, depois do almoço, venha degustar sua sobremesa conosco. A partir das 13h30 com entrada franca.

Alexandre Siqueira

Descendente de músicos que implantaram o ensino do violão na capital potiguar, Alexandre Siqueira nasceu no Recife, mas vive em Natal desde o primeiro ano de vida. Neto do violonista Amaro Siqueira, fundador do curso de Violão Clássico da UFRN, além de ter sido um dos principais compositores brasileiros para o violão romântico, e filho de Fidja Siqueira que deu continuidade às lições do velho pai Amaro, mas teve como seu principal tutor José Carrion Domingues, ex-discípulo do espanhol Emílio Pujol, uma das maiores expressões do violão no mundo.

Na sua adolescência iniciou seus estudos musicais com o professor recentemente formado por seu pai, Eugênio Lima que hoje é mestre em violão. Também estudou com os violonistas, Álvaro Alberto, Inês Bigois, Danilo Guanais, se formando em Violão Clássico da UFRN, em 1992. Nesta época Alexandre já era professor do Instituto de Música Waldemar de Almeida (Fundação José Augusto), como também do Solar Bela Vista (SESI). O músico sempre esteve envolvido com quase todos os movimentos musicais em nossa cidade.

Como músico popular, Alexandre vem se destacando como cantor compositor e arranjador, tendo participado de vários. Atuou também na produção dos eventos musicais do Shopping Orla Sul, onde criou o projeto Orla da Bossa, em homenagem aos cinquenta anos da bossa nova. Também foi destaque no Praia Shopping Musical com três shows com o tema: “O Samba de Djavan” com participação dos músicos Darlan Marley (bateria), José Fontes (baixo) e o baixista Júnior Primata. O som do seu violão pode ser ouvido em vários CDs dos principais artistas potiguares como: Valéria, Sérgio Farias (hoje morando na França), Carlos Zens, Dona Militana, entre vários outros.