Di Stéffano comanda o Jazz no Genot Maior

27
mar

Di Stéffano e banda são as grandes atrações do Projeto Genot Maior – especial jazz, desta quinta-feira, 28. A apresentação fecha o ciclo jazz, que levou à Cafeteria Genot grandes nomes da música potiguar como: Manoca, Jr. Primata, Cleber Campos, Chico Beethoven, Airton, Alexandre Siqueira, Zé Fontes e Antônio de Pádua, em shows emocionantes durante todo o mês de março.

O músico Di Stéffano começou a tocar bateria desde cedo, aos nove anos demonstrou interesse pela música. Aos 10, iniciou suas apresentações em colégios, gincanas e palcos. Começou seus estudos de teoria e percepção musical e fez cursos livres com os renomados Paschoal Meirelles, Kiko Freitas, Gledson Meira e Robertinho Silva. Paralelamente, seguiu seus estudos como autodidata utilizando métodos de teoria, técnicas de leitura e independência, como também, pela audição de diversos estilos musicais de grandes mestres da bateria.

Baterista com larga atuação no mercado brasileiro, Di Stéffano já trabalhou com grandes nomes da música popular brasileira como: Dominguinhos, João Donato, Boca Livre, Daúde, Babal, Manassés Campos, Geraldo Azevedo, Valéria Oliveira, Roberta Sá, Zé Ramalho, Cláudio Zoli, Martinália, Max Viana, Evaldo Gouveia, entre outros.
Na área instrumental já tocou com Ricardo Silveira, Marcel Powell, Celso Pixinga, Raul Mascarenhas, Dino Rangel, Ebinho Cardoso, Arthur Maia, Marcelo Martins, Eduardo Taufic, Jubileu Filho, Marcio Montarroyos, Rudi Berger, Alessio Menconi, Eileina Williams, Moreira Chonguiça, Dominique Fillon, Rudi Berger e Jeff Gardner.

Recentemente teve uma de suas músicas inserida no disco “Instrumental Nordeste”, coletânea que reúne importantes trabalhos jazzísticos do nordeste. É importante mencionar sua atuação como instrutor e educador. Além de clínicas individuais, tem realizado workshops e masterclass em todo o país.

Stéffano trabalha atualmente no lançamento de seu terceiro disco que se chama “OUTROS MARES”. Este disco traduz numa linguagem jazzistica, a formatação de timbres e inflexões rítmicas preferenciais do músico. Na execução, conta com a participação de músicos do primeiro time da música instrumental brasileira como André Mehmari, Marcelo Martins, Arthur Maia, Sérgio Farias e outros.

Como produtor e músico foi indicado ao Grammy Latino 2010 na categoria Instrumental com o novo CD “O Tempo e a Música”, do compositor e baixista carioca Arthur Maia, lançado pelo selo Biscoito Fino. A apresentação do Jazz Trio com Di Stéffano começa às 18h30, no Genot Cafés Especiais, localizado na Livraria Siciliano do Midway Mall. Entrada franca.

Quinta do Jazz no Genot

21
mar

Nesta quinta-feira é dia dos amantes do bom jazz participarem do happy hour do Genot Cafés Especiais. A atração faz parte do Projeto Genot Maior, e conta sempre com apresentações de artistas já consagrados na nossa terra. Quem comanda o som desta quinta é a dupla José Fontes (baixo e violão) e Antônio de Pádua (trompete e violão), a partir das 18h30, no mezanino da Livraria Siciliano, do Midway Mall.

Os músicos mostrarão ao público presente o resultado sonoro da união do trabalho do compositor e contrabaixista Fontes e do compositor e multi-instrumentista Antônio de Pádua, dois músicos que há muito tempo vem contribuindo para com a cultura do nosso estado, e que pela primeira vez, resolveram unir suas experiências musicais, tão distintas e ao mesmo tempo tão recíprocas, numa viagem pelo universo da música do mundo “World Music”, mostrando a diversidade da nossa música, e a versatilidade dos nossos músicos.

Um trabalho que tem em sua concepção artística, a busca de uma sonoridade singular, com combinações inusitadas, tocando clássicos da música universal, com “jeitinho brasileiro”, criativo e bem humorado, porém com uma formação completamente intimista. Com tudo isso, este duo apresenta mais um trabalho de qualidade que está sendo produzido no nosso estado, com um repertório composto por algumas músicas autorais, standard’s do jazz, e é claro, clássicos de compositores já consagrados da música brasileira, como: Villa Lobos, Tom Jobim, K-Ximbinho, Pixinguinha, Vítor Assis Brasil, Milton Nascimento, entre outros.

Dessa forma vai ficar difícil ficar de fora desse verdadeiro show musical, tendo por companhia, além dos amigos, o sabor do legítimo espresso e comidinhas deliciosas. Entrada franca.

Mais sobre os músicos:

Zé Fontes – Músico autodidata, arranjador e compositor; nasceu em Blumenau/SC, onde iniciou seus estudos de teoria musical, violão e baixo elétrico. Reside em Natal/RN, desde 1994. Professor de baixo elétrico do Instituto de Música Waldemar de Almeida e CMAI – Centro Municipal de Artes Integradas. Recentemente cursando Licenciatura em Música na Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Já participou de diversos shows e gravações ao lado de artistas da terra, marcando presença também em apresentações por todas as capitais nordestinas, shows em Lisboa (Portugal), São Paulo e Rio de Janeiro (teatro Rival e Som Brasil da TV Globo).

Antônio de Pádua – Compositor, multi-instrumentista e arranjador. É bacharel em trompete pela UFPB, professor de cavaquinho e trompete e pandeiro do IMWA em Natal/RN, maestro da Banda Independente da Ribeira (orquestra de frevo), e da Banda de Música da cidade de Goianinha/RN. Integrou a orquestra infantil, infanto-juvenil e jovem da Paraíba, e atuou como músico convidado nas orquestras: Sinfônica da Paraíba, Sinfônica do RN e Filarmônica Norte-Nordeste. Integrou a Orquestra Metalúrgica Filipéia reconhecida nacionalmente por ter em sua formação grandes nomes da música instrumental paraibana consagrados no cenário nacional e internacional. Pesquisador dos ritmos brasileiro, fabrica pandeiro, e está preparando um método e uma vídeo aula que é o resultado de suas experiência como panderista. Em 2002, gravou o primeiro CD do grupo, que rendeu ao grupo o Prêmio Hangar de Música, de melhor disco instrumental do ano.

Campeonato Brasileiro elege seu representante no World Barista Championship – WBC

20
mar

Entre os dias 12 e 14 de março, os melhores baristas do país estiveram reunidos para disputar o 11° Campeonato Brasileiro da categoria, realizado na Universidade Cruzeiro do Sul, Campus Anália Franco, em São Paulo. A competição é atualmente o principal foco das atenções nas feiras mundiais de cafés especiais. Neste campeonato, o barista tem 15 minutos para preparar e servir aos juízes: quatro espressos, quatro capuccinos e quatro drinques de assinatura, não podendo ser utilizado nenhum ingrediente que contenha álcool.

O torneio contou com a participação de um representante do Rio Grande do Norte, o barista Paulo Guillén, proprietário do Genot Cafés Especiais, sendo um dos juízes sensoriais tanto no processo classificatório, quanto na grande final da competição. A disputa teve ainda em seu corpo julgador: o juiz principal José Cleofas (México); os juízes técnicos Danilo Lordi e Katia Nassuno A. Alves; e os juízes sensoriais Michael Mc. Caurley (EUA), Antonio Villa Lobos (Chile), Isabela Raposeiras.

Ao final da disputa, o grande campeão do torneio foi o barista Rafael Godoy, representando o Suplicy/SP, seguido pela barista Graciele Rodrigues, do Lucca/PR – PR, e o barista Thiago Sabino, do Italian Coffee/SP. Com a conquista do primeiro lugar, Rafael Godoy será o representante brasileiro no World Barista Championship – WBC, que acontecerá entre 12 e 15 de junho, em Viena, Áustria. O campeonato é o mais importante do gênero no mundo.

O barista Rafael Godoy, vencedor do torneio.

A barista Graciele Rodrigues, segunda colocada.

Segundo Paulo Guillén, o juiz sensorial é responsável pela pontuação dada ao sabor de cada bebida, sendo a qualificação baseada na matéria-prima utilizada e no estilo da bebida. Os competidores tiveram que encontrar um equilíbrio harmonioso de doçura, amargor, acidez e aromas. É sugerido aos competidores explicar verbalmente aos juízes o porquê de sua decisão de utilizar seu café (o perfil básico do sabor), a estrutura do blend do espresso, os principais elementos de sabor, os ingredientes utilizados na bebida de assinatura e a filosofia por trás da bebida servida.

A pontuação também é baseada no aspecto visual das bebidas, incluindo xícaras, copos e acessórios, levando-se em a limpeza de xícaras e pratos (sem corrimento ou manchas), a consistência da bebida e a criatividade / estilo de apresentação. Assim como também, no conhecimento técnico do competidor e suas habilidades para operar a máquina e o moinho. É levado em consideração a impressão geral que o competidor causar nos juízes por suas habilidades, pelos sabores das bebidas, aspecto visual das bebidas, apresentação pessoal, e mesa de amostragem.

Guillén lembra que todas as notas dadas pelos juízes devem ser acompanhadas de comentários, tendo em vista que após o resultado final, os competidores podem querer explicações sobre as notas. Este foi o segundo ano seguido que o proprietário do Genot Cafés Especiais participa do Campeonato Brasileiro de Barista como juiz. Para ele, toda a experiência e conhecimento adquiridos nessas competições servem para a constante melhoria do atendimento ao cliente. Segundo o barista, Natal não deixa nada a dever aos grandes centros do país e até do mundo, no quesito de saborear um autêntico café especial.

Os juízes sensoriais Paulo Guillén, Antonio Villa Lobos (Chile),
Isabela Raposeiras e Michael Mc. Caurley (EUA)

Saiba mais…

Espresso – bebida à base de café preparada por meio da passagem de água quente sob alta pressão pelo café moído.

Cappuccino – bebida de café e leite que deve produzir um rico balanço harmonioso entre a doçura do leite e o sabor do espresso.

Bebida de Assinatura – bebida à base de espresso de preparo livre, criada pelo competidor. Cada uma das quatro bebidas de assinatura servidas deve conter no mínimo um shot de espresso.

Déborah Massud
Jornalista    

Vai dar Jazz no Happy Hour da quinta-feira!

15
mar

No que depender do Genot Cafés Especiais, o happy hour das quintas-feiras do mês de março está garantido. Teve início no último dia 08, a segunda edição do Projeto Genot Maior, especial Jazz, trazendo os melhores interpretes locais no gênero, em apresentações marcantes para os clientes da cafeteria.

Nascido do blues, das work songs dos trabalhadores negros norte-americanos, do negro spiritual protestante e do ragtime, o jazz passou por uma extraordinária sucessão de transformações no século XX.

No Genot Maior Jazz, o estilo musical ganhará o tom dos artistas da terra que irão interpretar standard’s do jazz, da música brasileira e universal, utilizando elementos da improvisação jazzística com a sutileza de algumas rearmonizações próprias.

O primeiro trio de músicos a se apresentarem no evento: Manoca, Jr. Primata e Cleber Campos, levaram até o público – com o emprego de instrumentos acústicos amplificados – uma sonoridade clássica e limpa bem conhecida dos pequenos combos, formados no jazz a partir da segunda metade do século XX.

E as novidades não param por aí, para acompanhar esse deleite musical, o Genot apresenta seu novo cardápio, com layout moderno e recheado de deliciosas opções entre doces e salgados, gelados e quentes que certamente irão agradar os paladares mais exigentes, além das tradicionais comidinhas da casa, já bem conhecidas pelos seus frequentadores.

Ha também os novos grãos especiais, uma ótima pedida para aqueles que desejam a experiência de degustar diferentes cafés, entre eles, o Guji Espresso. Naturalmente processado é cultivado na região de Oromia, Etiópia, seus grãos são torrados pela Square Mile, torrefadora inglesa especializada em café de alta qualidade.

Com todas essas opções vai ser difícil resistir ao happy hour do Genot. Então não fique de fora, de uma esticadinha até o Genot Cafés Especiais. As apresentações de jazz vão acontecer todas as quintas de março, a partir 18h30. Entrada franca.

 

Confira a programação:

08/03/12 – Manoca (Guitarra Semi-Acústica), Jr. Primata (Baixo acústico) e Cleber Campos (Bateria);
15/03/12 – Chico Bethoven (Sax) Airton (Baixo Acústico), Alexandre Siqueira (Guitarra e Violão);
22/03/12 – José Fontes (Baixo e violão) Antônio de Pádua (Trompete e Violão);
29/03/12 – Jazz Trio com Di Stéffano (Bateria).